Afinal, está pronto ou não para entregar?

Postado em Atualizado em

“Se criarmos um preview da tela para auxiliar na configuração, não seria melhor? E se a gente criasse um novo passo indicando a situação atual do cadastro? E se tivéssemos uma lista múltipla ao invés de um combo na configuração? Mas essa relação 1 x N não precisa ser N x N?” Esses são alguns exemplos básicos de perguntas que muitos times enfrentam. Saber se a nova funcionalidade está realmente pronta para entrega ao cliente é uma dúvida enfrentada muitas vezes por muitas equipes de desenvolvimento.

A questão que precisamos entender é que as respostas não estão com a gente. Somente há uma resposta que deve ser avaliada e levada em consideração: a posição do cliente. É ele que deve dizer se o que foi feito agrega ou não ao seu negócio, se precisa de melhorias e ajustes, e se está contemplando sua necessidade ou não. É ele que tem o poder

O fato é que muitas vezes nossa visão sobre determinada funcionalidade não está de acordo com o seu uso efetivo. Na prática é que realmente vamos validar se o que foi feito ajuda ou não o cliente. Muitas vezes, o cliente não está preocupado com preview, wizards, telas de seleções múltiplas, entre outras coisas. O que o cliente realmente espera é que a funcionalidade atenda a sua necessidade e resolva o seu problema. É por isso que uma quantidade enorme de software desenvolvido nunca é utilizado, conforme pode ser visto no report do Standish Group abaixo.

Não estou dizendo com isso, que devemos esquecer as melhores práticas de desenvolvimento e os cuidados com a usabilidade do produto. Com certeza são questões muito importantes e que agregam ao produto, tornando seu uso melhor. Mas já vi softwares com uma usabilidade fantástica e com vários recursos avançados que foram um fracasso. E também vi softwares com interface bem simples e poucos recursos serem um sucesso absoluto.

O segredo muitas vezes está na simplicidade. Quanto mais simples e objetivo for para o usuário, melhor será sua experiência no uso do sistema. E se você está com dúvida em relação a qual padrão utilizar, e fica pensando se a tela ficará melhor do jeito X ou Y, sugiro que priorize a forma mais simples e fácil. Afinal de contas, você não tem a resposta certa mesmo. A resposta está sempre com o cliente.

Por isso é importante sempre ter a participação do cliente na construção do software. Ele ajudará a nortear o desenvolvimento, indicando o que agrega mais valor e como. Os feedbacks dos clientes são fundamentais para garantir o sucesso no desenvolvimento do produto. E quanto mais cedo o feedback, melhor. Essa é a grande vantagem de um desenvolvimento iterativo e incremental, sempre buscando o feedback do cliente e a melhoria do produto durante a sua elaboração, sem aguardar um retorno somente ao final de todo o desenvolvimento.

Afinal, está pronto ou não para entregar?

Além disso, não devemos ter medo de entregar uma parte do software, pensando que ainda falta muito a desenvolver. Temos que entregar sempre o mínimo possível que temos para ir agregando valor ao produto e buscando com isso feedback do cliente. Se com o mínimo já atende o cliente, então porque vamos realizar o resto? E se com o mínimo já percebemos que não estamos no caminho certo, porque vamos continuar nesse caminho? Pensar no MVP – Minimum Viable Product (falaremos mais sobre isso em outro post) e ir já realizando a prova prática dele, entregando ao cliente, é um ponto importante para descobrirmos realmente se está ou não está pronto.

Anúncios

2 comentários em “Afinal, está pronto ou não para entregar?

    Nícolas Iensen disse:
    3 de maio de 2012 às 21:59

    Parabéns pelo post Emerson!

    Sou super adepto da ideia de trocarmos a palavra requisito de software por hipótese de software.

    Enquanto a funcionalidade não sair das quatro paredes do escritório só podemos supor que ela será útil, e quanto mais tempo essa funcionalidade levar para ir pro ar maior o risco do trabalho da equipe estar sendo desperdiçado.

    Emerson Schenatto disse:
    4 de maio de 2012 às 0:53

    Obrigado Nícolas.

    Gostei da ideia de trocarmos para hipótese de software. Realmente é bem essa questão. Só podemos medir o real valor de uma funcionalidade a partir do retorno do cliente.

    Agradeço o seu feedback. Com certeza é um grande incentivo para novos posts.

    Abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s