Mês: junho 2014

Seja o cliente de seu produto

Postado em

A proximidade com seu cliente, buscando feedbacks frequentes são fundamentais para o bom andamento de um client-feedbackprojeto e evolução de um produto. Bom, isso deve estar muito claro para todos e não ser novidade para ninguém. Porém, o objetivo desse post é indicar que devemos ir um pouco mais além do que só receber feedback do cliente. Precisamos, de fato, sentir a dor que ele está sentindo.

Mas como assim sentir a dor do cliente? O que isso significa? Bem, acredito ser fundamental para uma evolução eficiente de um produto o uso interno dele, pela equipe que o vende e principalmente o desenvolve. Muitas empresas acabam desenvolvendo o produto e não o usam efetivamente no dia a dia. Apenas fazem testes, montam ambientes de demonstração e se baseiam na percepção dos clientes. Mas nem sempre isso é suficiente.Satisfação-do-cliente

Já vivenciei situações que os colaboradores da empresa não conheciam as funcionalidades do produto. Isso porque não o usavam efetivamente. Se você desenvolve software, também já deve ter vivenciado isso. Principalmente quando no desenvolvimento há diferentes tecnologias e módulos, e pessoas que não trabalham em todas as áreas. Acabam surgindo ilhas de conhecimento, não tendo uma visão sistêmica de todo o produto. Isso é um perigo e pode gerar um produto com ótimas funcionalidades isoladas e que não se comunicam adequadamente entre si.

Em experiências passadas, percebo que algumas vezes o feedback negativo do cliente parece exagerado pela equipe interna. Parecemos pais que não gostam quando outras pessoas falam mal de seus filhos. Porém, ao visualizar exatamente o cenário do cliente, utilizando o sistema, percebe-se que não houve exagero algum. Nesse momento, temos que guardar um pouco do nosso orgulho e perceber que realmente há lacunas no produto, e que ele, de fato, precisa ser melhorado.practice_makes_perfect_254524251

Utilizar o produto que você desenvolve parece um pouco óbvio, não é? Mas nem sempre é. Por exemplo, se você desenvolve uma solução de mobilidade para Windows Phone e ninguém da equipe possui um smartphone com esse sistema operacional? E se você utiliza o produto, mas não realiza a integração via arquivos ou API com outro sistema? E se você desenvolve uma solução específica para farmácias? Perceba que nem sempre é simples utilizar realmente todos os recursos do seu sistema.

Mas eu insisto. Dentro do possível, crie situações onde sua equipe utilize o produto no cotidiano. Uma utilização real, onde necessita de dados reais e regras de negócio bem mapeadas no sistema. Você, mais do que ninguém, conhece o produto que você desenvolve e sua empresa. Pense numa forma de adaptar um ao outro. Isso irá gerar uma maior visão sistêmica do produto, entendendo as intersecções entre módulos e tecnologias. Irá também antecipar possíveis problemas ou lacunas no produto que precisem ser ajustadas. Seja você o primeiro cliente de seu produto.