cliente

Seja o cliente de seu produto

Postado em

A proximidade com seu cliente, buscando feedbacks frequentes são fundamentais para o bom andamento de um client-feedbackprojeto e evolução de um produto. Bom, isso deve estar muito claro para todos e não ser novidade para ninguém. Porém, o objetivo desse post é indicar que devemos ir um pouco mais além do que só receber feedback do cliente. Precisamos, de fato, sentir a dor que ele está sentindo.

Mas como assim sentir a dor do cliente? O que isso significa? Bem, acredito ser fundamental para uma evolução eficiente de um produto o uso interno dele, pela equipe que o vende e principalmente o desenvolve. Muitas empresas acabam desenvolvendo o produto e não o usam efetivamente no dia a dia. Apenas fazem testes, montam ambientes de demonstração e se baseiam na percepção dos clientes. Mas nem sempre isso é suficiente.Satisfação-do-cliente

Já vivenciei situações que os colaboradores da empresa não conheciam as funcionalidades do produto. Isso porque não o usavam efetivamente. Se você desenvolve software, também já deve ter vivenciado isso. Principalmente quando no desenvolvimento há diferentes tecnologias e módulos, e pessoas que não trabalham em todas as áreas. Acabam surgindo ilhas de conhecimento, não tendo uma visão sistêmica de todo o produto. Isso é um perigo e pode gerar um produto com ótimas funcionalidades isoladas e que não se comunicam adequadamente entre si.

Em experiências passadas, percebo que algumas vezes o feedback negativo do cliente parece exagerado pela equipe interna. Parecemos pais que não gostam quando outras pessoas falam mal de seus filhos. Porém, ao visualizar exatamente o cenário do cliente, utilizando o sistema, percebe-se que não houve exagero algum. Nesse momento, temos que guardar um pouco do nosso orgulho e perceber que realmente há lacunas no produto, e que ele, de fato, precisa ser melhorado.practice_makes_perfect_254524251

Utilizar o produto que você desenvolve parece um pouco óbvio, não é? Mas nem sempre é. Por exemplo, se você desenvolve uma solução de mobilidade para Windows Phone e ninguém da equipe possui um smartphone com esse sistema operacional? E se você utiliza o produto, mas não realiza a integração via arquivos ou API com outro sistema? E se você desenvolve uma solução específica para farmácias? Perceba que nem sempre é simples utilizar realmente todos os recursos do seu sistema.

Mas eu insisto. Dentro do possível, crie situações onde sua equipe utilize o produto no cotidiano. Uma utilização real, onde necessita de dados reais e regras de negócio bem mapeadas no sistema. Você, mais do que ninguém, conhece o produto que você desenvolve e sua empresa. Pense numa forma de adaptar um ao outro. Isso irá gerar uma maior visão sistêmica do produto, entendendo as intersecções entre módulos e tecnologias. Irá também antecipar possíveis problemas ou lacunas no produto que precisem ser ajustadas. Seja você o primeiro cliente de seu produto.

 

Anúncios

A importância do uso de CRM

Postado em Atualizado em

Depois de um longo tempo de inatividade do blog, estou retomando as atividades colocando meu ponto de vista diante de questões relacionadas a análise de negócio. Aproveitando minha participação no evento TTLabs Summit, realizado na empresa que trabalho, falarei um pouco sobre CRM aplicado em software-houses.

Normalmente, as empresas buscam sempre aumentar seu faturamento e lucro buscando novos clientes. O que não é errado, sem dúvida. O problema é que, muitas vezes, elas esquecem de seus clientes atuais. As organizações não percebem que o custo para a aquisição de novos clientes é muito maior. A venda de novos produtos e serviços para clientes atuais satisfeitos pode gerar um grande incremento no faturamento da empresa.

Para isso, o uso de uma boa ferramenta de CRM pode auxiliar muito as organizações. Além disso, é importante ampliar o conhecimento sobre os clientes a fim de categorizar os mesmos. Clientes com maior influência no mercado e com maior poder de investimento devem receber uma atenção especial. É um erro considerar que todos os clientes possuem o mesmo grau de importância e devem ser tratados na mesma forma. Clientes diferentes devem ser tratados de forma diferente. Cada um possui sua cultura, seu conhecimento sobre o produto, sua forma de comunicação.

O objetivo principal de uma ferramenta de CRM é conhecer melhor os seus clientes. Dar a atenção devida para cada um, de acordo com sua real necessidade. A partir disso, deve-se buscar o relacionamento com o cliente como um diferencial competitivo da organização. Entender de forma rápida e precisa o que cada cliente necessita, geralmente não é algo simples para as organizações. Principalmente em software-houses, onde os clientes normalmente possuem um conhecimento limitado sobre o processo de desenvolvimento de software. E isso se agrava ainda mais, se o cliente não possui uma área de TI bem estruturada.

É importante categorizar os clientes, para que em um atendimento todos possam saber de forma rápida qual seu grau de importância para a empresa, qual é o potencial de compra de novos produtos e serviços, e principalmente, seu poder de influência sobre o mercado, baseado em seu relacionamento e proximidade com outros clientes.

Não estou defendendo que clientes com uma classificação de menor relevância devem ser desconsiderados e distratados. Muito longe disso. Todos clientes são importantes. Só que clientes que agregam menos valor a empresa, não devem receber uma atenção maior que um grande cliente, considerado fundamental para a organização. É uma questão de alinhamento da operação com a estratégia, e uma forma de aumentar os esforços no mais relevante. Diante de uma situação onde deve ser dado retorno para mais de um cliente, sugiro que busque primeiro retornar para a mais relevante, e depois para o cliente com menor relevância. Claro que sempre respeitando o SLA de atendimento da organização.

Sendo assim, analisando o cotidiano de empresas desenvolvedoras de software, criei uma sugestão de metodologia para implantação de CRM, com algumas categorias de clientes e informações que devem ser coletadas em uma ferramenta de CRM. Esses dados podem ser conferidos no vídeo e/ou na apresentação que estão mais abaixo.

Buscar categorizar os clientes por:

  • Número de contatos (chamados) realizados
  • Geração de receita
  • Inadimplência
  • Maior conhecimento ou melhor utilização de seus sistemas
  • Maior visibilidade para seus softwares perante outras organizações

Informações que devem ser armazenadas no CRM:

  • Recursos, módulos ou programas que os clientes utilizam
  • Pessoas que utilizam o sistema e seus níveis de conhecimento sobre o sistema
  • Regras pré-estabelecidas pelo cliente, assim como particularidades no uso do sistema
  • Treinamentos realizados (com dados sobre quem fez e quando)
  • Reclamações dos clientes
  • Problemas solucionados
  • Ações pendentes com data e responsável pela próxima ação/retorn

Quer saber mais sobre o uMov.me Labs? Acesse o site http://umovme.cc e fique ligado nas novidades do blog.