comunicação

Agile Brazil 2014

Postado em

Esse ano de 2014 está sendo um ano muito especial para mim. Foi o ano que comecei a palestrar em eventos, mostrando um pouco do meu trabalho e o que eu acredito que realmente agrega no desenvolvimento de software, utilizando a análise de negócios e os métodos ágeis como pilares fundamentais para a construção de um software eficaz.

47c70aad348dd9cf8f963eee6afa225f986c6630_original

Iniciei palestrando no The Developers Conference (TDC) em Florianópolis. Depois fui palestrante e coordenador da trilha Análise de Negócios no TDC em Porto Alegre, conforme já relatado nesse blog. E é com muito orgulho que palestro também esse ano no maior evento de métodos ágeis do Brasil, o Agile Brazil 2014, que ocorre em Florianópolis.

Estarei palestrando na próxima quinta (06/11) juntamente com meu amigo Rafael Helm, falando um pouco sobre os desafios da gestão de roadmap de produto em equipes ágeis.

Estou muito feliz e ansioso pela participação nesse grande evento, que já está com lotação máxima de inscrições. Com certeza teremos muita troca de experiências bacanas por lá. É uma forma de recarregar as baterias e seguir lutando pelas causas que acreditamos no desenvolvimento de software.

Para finalizar, fica a dica para quem acredita em seu trabalho e tem o objetivo de palestrar em algum evento. Não tenho medo. Lute pelos seus objetivos. Prepare-se na sua empresa, em casa, ou em algum evento menor. Mas não deixe seu sonho morrer. Com certeza, você irá verificar que aprende muito mesmo palestrando em eventos.

Anúncios

TDC 2014 Florianópolis

Postado em Atualizado em

Estive por um longo período afastado do blog, sem postar nada. O que aconteceu nesse período? Muitas coisas, com certeza. Vários novos assuntos surgiram e mudanças ocorreram na minha vida, e na própria análise de negócios. Durante esse período, infelizmente acabei perdendo o hábito de postar aqui no blog Análise Ágil de Negócio.

O que me20140522_210149 levou a retomar o blog? Bem, já tinha esse projeto pessoal e estava postergando, por N motivos. Porém, a participação no TDC 2014 Florianópolis me fez refletir que já tinha passado a hora de fazer isso. O tempo estava passando e eu perdendo a oportunidade de realizar essa troca de aprendizado entre todos.

Conforme citado acima, participei no TDC 2014 Florianópolis pela primeira vez como palestrante. Foi uma experiência incrível, onde aprendi muito. Eu e meu colega Rafael Helm palestramos na trilha Análise de Negócios. Nossa palestra “Os desafios na gestão de roadmap de produto em equipes ágeis”, contou de forma breve como realizamos a gestão de roadmap de produto na uMov.me. Buscamos explicar como buscamos gerar maior alinhamento entre a equipe de desenvolvimento e a estratégia da organização. Falamos sobre priorização, estimativa, planejamento e entrega das funcionalidades, entre outros pontos fundamentais para atingirmos os objetivos definidos para o produto.

TDC Vale destacar a qualidade do evento, que como sempre é excelente. Boas trilhas, ótimas palestras e uma organização impecável. Com certeza vale o investimento de ir até Florianópolis e obter um grande volume de conhecimento em poucos dias. Estive lá entre os dias 16 e 18 de maio, e tive o privilégio de ter acesso a ótimos materiais nas trilhas Análise de Negócios, Agile e Management 3.0. Buscarei falar mais sobre os assuntos abordados no evento nos próximos posts do blog.

O fato de ter estado no evento, e ter acompanhado inúmeros temas relevantes para compartilhamento e estudo, me fizeram sair da inércia. 🙂 Há muito conteúdo para estudar e compartilhar com todos, buscando uma troca maior de conhecimento e experiências vividas. Inclusive já estou preparando submissões para novos eventos ainda esse ano, como Agile Brazil 2014 (submissões já abertas) e TDC 2014 Porto Alegre. Acredito que devemos buscar um aprendizado constante, uma atitude e um desafio novo a cada dia. E palestrar para os profissionais qualificados que se encontram nesses eventos, compartilhando um pouco das minhas experiências vividas, é uma aprendizado enorme e uma grande m0tivação para seguir desempenhando o meu papel da melhor forma possível.

Fique ligado nos posts e novidades do blog. Estarei postando no mínimo 2 vezes por mês, buscando incluir um conteúdo variado sobre análise de negócio, passando um pouco de experiências enfrentadas na análise e temas ligados diretamente a área. Conto com a colaboração de vocês para comentarem e levantarem novos assuntos para discussão.

A importância de ver o todo

Postado em Atualizado em

Em qualquer organização há muitas pessoas e muitos meios para efetuar a comunicação. A comunicação eficaz entre todos, sempre é um desafio constante na análise de negócio. Conseguir buscar as informações e repassar de uma pessoa para outra, e entre os setores da empresa de forma clara e objetiva, é praticamente uma arte. Precisamos conhecer bem as pessoas e saber como abordá-las para que elas recebam as informações da melhor forma. Por isso que a Programação Neurolinguística (PNL) está sendo tão procurada por analistas de negócio. Muitas vezes, precisamos ser mais “psicólogos” que analistas mesmo.

Isso deve-se ao fato de cada pessoa possuir a sua própria percepção sobre seu trabalho. O setor de vendas, por exemplo, valoriza mais seu trabalho e considera fundamental, pois é através dele que entram os clientes e o dinheiro das vendas. Já o setor de compras considera seu trabalho essencial para adquirir bons preços, produtos e condições de pagamento para melhorar o fluxo de caixa. E o setor financeiro que cuida do caixa da empresa? A produção, por sua vez, considera que leva a empresa nas costas, já que é responsável por desenvolvedor o produto ou serviço com qualidade. Mas afinal, existe algum setor mais importante que outro? É claro que NÃO.

É muito natural que cada pessoa e setor considere o seu trabalho bem importante, pois sempre buscamos a valorização de nosso trabalho. Mas não podemos considerar que o que fazemos é mais importante que o trabalho de outra pessoa ou setor. Em uma organização as coisas somente acontecem quando o todo funciona bem. Não adianta a produção fazer tudo de forma rápida e perfeita e não ter vendas. Também não adianta ter vendas e não conseguir produzir, ou vender com prejuízo devido a uma negociação mal feita com o fornecedor. Sempre o todo tem que estar bem alinhado.

Dessa forma, considero fundamental que na análise de negócio sempre seja buscada uma visão mais ampla. Muitas vezes, por estarmos mais próximos de uma área, como desenvolvimento por exemplo, acabamos deixando nossa visão mais míope, mais limitada e não enxergando a empresa como um organismo mais complexo e cheio de conexões internas que levam para um resultado maior. A visão mais restrita nos tira a percepção de valor sobre algumas tarefas que devem ser implementadas.

Temos somente que ter cuidado para não nos envolvermos com tudo na empresa, buscando ser especialista em todas as áreas, e nos tornarmos assim super heróis. Sempre temos que ver o todo, mas sabendo que não seremos especialistas em tudo. Cada área possui sua experiência e conhecimento natural, e somente devemos apoiar esses setores entendendo a sua importância e suas necessidades na organização.

Mas também deve ser salientada a importância de sempre recebermos o contexto mais amplo para execução de algumas atividades. Recebermos uma tarefa para execução sem entendermos o real valor dela não é nada saudável. Temos que entender e acreditar no que está sendo feito. Fazer somente porque a direção da empresa quer, ou porque a equipe de desenvolvimento acha importante, não é a melhor saída. Sempre temos que parar, nos afastar um pouco do problema e buscar visualizar o todo. A partir desse ponto, estaremos aptos para tomarmos a decisão mais acertada.

A Importância do Uso dos Indicadores (BSC)

Postado em Atualizado em

Todas as organizações possuem sua missão, visão, objetivos estratégicos e tudo mais que um bom planejamento estratégico define como regra para identificar onde a empresa quer chegar. Mas a pergunta é: “quem faz com que a empresa atinja tais objetivos?”

Com certeza são os colaboradores que farão com que as metas da empresa sejam ou não atingidas. São as pessoas que movem a empresa. Mas a questão principal é: “Será que todos sabem claramente o que precisam fazer para que a empresa atinja suas metas? O caminho está claro para todos?”

 

Para exemplificar a importância dessa comunicação, lembro de uma pequena história sobre caranguejos que ouvi há um tempo atrás em um curso que realizei. Essa metáfora com a vida organizacional relata que os caranguejos capturados no mangue ficam presos em um barbante solto no próprio mangue. Eles poderiam fugir se todos puxassem o barbante para o mesmo lado. Mas como não se falam, cada um puxa para um lado diferente e eles acabam ficando no mesmo lugar, sem conseguir escapar.

Para melhorar esse cenário confuso sobre a comunicação da empresa com seus colaboradores, há uma ferramenta importante que visa simplificar esse diálogo, orientando todas as pessoas a seguirem um caminho único. Essa ferramenta é o Balanced Scorecard (BSC), formado por indicadores em todas as áreas da empresa, interligados e balanceados, evitando comportamentos inadequados.

O processo mais complicado na construção do BSC é a escolha correta dos indicadores. Sempre deve ser avaliado se o comportamento gerado a partir do indicador é o adequado. Os indicadores não podem ser controladores de performance. Eles devem auxiliar no comportamento dos colaboradores para que todos busquem atingir os objetivos organizacionais. Não devem ser criadas medidas a fim de punir as pessoas e sim indicadores para auxiliar as pessoas nas tomadas de decisões.

A Importância do Uso dos Indicadores (BSC)

Para finalizar, lembro da famosa e verdadeira frase do Goldratt: “Diga como me medes e te direi como me comportarei. Se me medires de forma ilógica, não reclame de comportamento ilógico.”

Quer saber mais sobre o uMov.me Labs? Acesse o site http://umovme.cc e fique ligado nas novidades do blog.